Capítulo 5- Vida de cão solitário

Já era de se imaginar que minha vida social pouco habitada por seres humanos iria de mal a pior com mamãe no meu pé.
Sempre foi dificil fazer amizades na escola, ainda mais quando se tem uma senhora falante ao seu lado, contando como você corria sem roupa em volta da casa quando era pequena. Eu sempre quis um buraco para me enfiar dentro. Agora eu precisava de um vulcão gigante para esconder minha vergonha!

Por sorte geografia nunca fora uma matéria muito valorizada por aqui. Mamãe não ia à escola todos os dias da semana. Apenas segunda e quarta-feira, o que significava que eu poderia aproveitar o tempo sozinha para descolar amiguinhos.

Foi bem dificil no começo, no meio e no fim do ano. Ah, foi dificil nos feriados e fins de semana também arrumar algum amigo.
Mas no fim deu tudo certo (ou quase isso). Tudo começou quando as três amáveis vilãs do colégio resolveram dar uma festa. É claro que eu imaginava que não seria convidada, e me sentia MUITO feliz por isso.
Mas acho que mamãe não pensava como eu. Ao saber da comemoração que ia acontecer no hospício, digo casa, das irmãs Genoz, minha criadora resolveu dar uma de boa moça e exigir um convite para a filha amada.
Eu iria a festa de dia das bruxas. Uhul, estou super emocionada. Argh!

 

 

publicado por cinderelashakespeariana às 14:49
link do post | comentar | favorito